segunda-feira, 20 de maio de 2013

A POLÍTICA DA URSS E DOS EUA NA FUNDAÇOM DE ISRAEL: 1945


Janeiro
O presidente Roosevelt, evitando um compromisso mais explícito, recebe Stephen S. Wise (dirigente sionista) para exprimir a sua preocupaçom quanto à oposiçom soviética. Wise demonstrou que esse aspecto nom era preocupante, pois numha conversa que teve com Benes, presidente da Checoslováquia, fora informado de que Estaline nom se oporia à ideia, se os EUA e a Gram Bretanha concordassem com a soluçom. Com essa conversa e numha carta enviada a James M. Landis, diretor americano de Operações Económicas no Próximo Oriente, Roosevelt indicou que naquele momento estava a considerar um plano em que o estabelecimento do Estado judeu atrelado ao desenvolvimento económico dos países árabes pudesse trazer a paz entre árabes e judeus.

27 de janeiro
As tropas soviéticas libertam o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau.

Fevereiro
Roosevelt recusa a aprovaçom polo Senado dumha resoluçom pró-sionista ao considerá-la imprudente perante a situaçom internacional decorrente naquele momento.

Os representantes soviéticos votam em prol dumha resoluçom aprovada na Conferência da Federaçom Mundial de Sindicatos celebrada em Londres. A resoluçom alegava que as Nações Unidas têm a responsabilidade de proteger os judeus de todo o mundo contra a opressom, discriminaçom e deslocamento, bem como que o povo judeu deve ser autorizado a continuar a construir uma pátria nacional na Palestina. Porém, o voto soviético nesta resoluçom nom significa que Moscovo iria apoiar a criaçom dum Estado judeu. Tal como o cônsul soviético em Beirute disse a umha delegaçom sionista "o governo soviético nom se está a tornar pró-sionista, mas que irá esclarecer a sua posiçom quando a questom Palestina surgir eventualmente no âmbito das Nações Unidas”.

Antes mesmo do fim da Segunda Guerra mundial, Nahum Goldmann enviou umha carta ao Andrei Gromyko em Washington solicitando vistos de saída para cidadãos judeus romenos, búlgaros e húngaros que tiveram seus certificados a emigrar para a administraçom britânica na Palestina.

Março
Embora a questom palestiniana nom estava na agenda da Conferência de Ialta, os líderes sionistas foram informados pola Casa Branca de que Estaline, Roosevelt e  Churchill concordaram em entregar a Palestina aos judeus.

Ao seu regresso de Ialta, o Presidente Roosevelt visitou o Rei Ibn Saud para tratar do assunto. No seu encontro com Ibn Saud o rei ficou impassível com as ofertas de benefícios económicos e sociais e protestou violentamente contra qualquer posterior imigraçom de judeus à Palestina. Afirmou também que os árabes escolheriam morrer antes de entregar as suas terras para os judeus.

Abdul Rahman Azzam Bey, secretário geral da Liga Árabe, disse que Ibn Saud nom apenas ameaçou com a guerra se a Palestina fosse dada aos judeus, mas que Roosevelt "deu a sua garantia ao Reib Ibn Saud da Arábia Saudita de que ele nom apoiaria qualquer mudança para entregar a Palestina aos judeus".

Roosevelt, muito impressinado pola personalidade do rei saudita, relatou no Congresso as suas conclusões do encontro com o rei saudita concluindo que toda a política americana sobre a questom deveria ser revista, pois se as cousas seguissem como estavam, haveria derramamento de sangue. Dumha maneira informal frisou que "sobre o problema dos árabes, eu aprendi mais sobre todo o problema, a questom muçulmana, a questom judaica, falando com o Rei por cinco minutos, do que eu poderia ter aprendido na troca de duas ou três dúas de cartas".

No entanto, continuou com a sua tradicional política de autorizar declarações em que afirmava nom ter mudado de ideia quanto aos anseios sionsitas e, ao mesmo tmepo, respondendo às preocupações árabes afirmando que nada faria que provocasse a sua hostilidade"

22 de março
Formaçom da Liga Árabe. 

Após a sua criaçom o embaixador soviético em Bagdá sugeriu que as críticas contra este projeto devem ser atenuadas, já que a Liga Árabe era popular entre a opiniom pública nos países de cultura árabe. Seria mais proveitoso, segundo ele, atrair Liga para a adoçom dos interesses soviéticos. Mas Moscovo permaneceu desconfiado desta organizaçom inspiração britânica.

Abril
Após a morte de Roosevelt, Henry Truman assume a presidência dos EUA a 12 de abril. No princípo ele mostra-se despreparado e desinformado sobre a questom da Palestina, deixando-se levar mormente a respeito da questom dos refugiados judeus na Europa. Muito sensibilizado com o problema dos refugiados, declara a sua intençom em prol de obter a permissom para a entrada de 100 mil judeus na Palestina. Truman insinua que nom desejava o etabelecimento dum Estado na linha nacional.

8 de maio
Fim da Segunda Guerra mundial na Europa.

Nesta altura a Uniom Soviética carece dumha estratégia definida para o Próximo Oriente. Apesar da sua hostilidade para com a Liga Árabe, a Uniom Soviética ainda nom tinha umha “política árabe” nem se engajara com o sionismo pois a diplomacia soviética acreditava que os custos dessa escolha podiam superar os benefícios.

Nesta altura o relatório sobre a questom da Palestina elaborado pola Comissom Litvinov mostra a opçom soviética por umha mudança na política. Em vez do sistema de mandato britânico, a Comissom propôs a criaçom dum fideicomisso temporário soviético até que umha soluçom mais radical para o problema fosse encontrada polo qual a URSS, de acordo com a comissom, estava livre da tanto da influência árabe quanto da judaica. "Se a reivindicaçom soviética for rejeitada, entom a questom que inevitavlmente surge é a transferência da Palestina para a tutela coletiva dos três estados: URSS, os EUA e a Grã-Bretanha". Mas esta proposta nom teve chance de ser aceite por Londres e Washington, pois nengumha potência ocidental toleraria a inteferência da URSS na questom da Palestina.

27 de maio
A Organizaçom Sionista apresenta ao governo da Grã Bretanha o pedido de proclamar o Estado judeu e permitir à Agência Judaica controlo total sobre a imigraçom.

Julho
O presidente Truman recebe a solicitaçom, por parte de 37 governadores de estado, 54 senadores e 251 deputados, mobilizados polos senadores Taft e Wagner, de que os EUA apoiassem um Estado judeu e que a Agência Judaica controle a imigraçom na Palestina. Truman tratou o tema com W. Churchill, sendo enfático apenas sobre a questom de diminuir as restrições aos refugiados. Entretanto, o primeiro-ministro britânico mostrou-lhe que a situaçom era mais complexa do que ele imaginava.

Nessa altura, a teor dum acordo entre a Uniom Soviética e a Polónia, todos os polacos (judeus e nom judeus) que moravam na URSS e que foram cidadãos judeus antes de 19 de setembro de 1939 podiam regressar aos seus lares, do que se beneficiaram mais de 150.000 judeus polacos que viviam deslocados na Ásia Central soviética. Segundo Yaacov Ro’i, antes do início da repatriaçom havia na Polónia aproximadamente 50.000 judeus sobreviventes do Holocausto.

16 de agosto 1945
Truman declara: "... queremos que entre na Palestina o maior número de judeus possível. Mas o problema deve ser trabalhado diplomaticamente com a Gram Bretanha e os árabes, pois se um Estado pode ser estabelecido lá, deve ser em bases pacíficas. Eu nom desejo enviar 500.000 soldados americanos para fazer a paz na Palestina".

24 agosto
Loy Henderson, diretor da Agência para o Próximo Oriente do Departamento de Estado americano, escreve ao secretário de Estado, James Byrnes, que os Estados Unidos perderiam o seu prestígio moral no Próximo Médio caso apoie as aspirações judaicas na Palestina.

O relatório da Comissão Intergovernamental para os Refugiados, o chamado Relatório Harrison, é apresentado ao presidente Truman. O relatório é muito crítico com o tratamento por parte das forças aliadas aos refugiados na Alemanha, nomeadamente os refugiados judeus.

31 agosto
Truman pede, em nome dos interesses dos EUA, que o novo primeiro-ministro britânico, o trabalhista Attle, admita a emigraçom dum número razoável de Judeus para a Palestina. Atlee recusa o pedido alegando os compromissos anteriores com os árabes e declara concordar com a ideia, mas apenas se os EUA assumirem a responsabilidade conjunta, inclusive com o envio de tropas. Porém, Truman permaneceu na sua postura contrária ao envolvimento militar, nom chegando a nengum acordo.

O presidente Truman tinha umha real preocupaçom com os refugiados da Europa e nom compreendia realmente a conexom dos dous objetivos sionistas. Acreditava que a imigraçom podia mesmo ser estabelecida sem a necessidade dumha nova estrutura política. Ele desejava a imigraçom ilimitada e considerava aceitável o Estado judeu, desde que isso pudesse ser feito sem guerra e sem envolvimento de tropas americanas, negando-se a admitir que a única maneira de realizar esse objetivo era através do conflito.

11 de setembro – 2 de outubro
Durante umha conferência de ministros dos negócios estrangeiros realizada em Londres, Molotov sugeriu ao ministro britânico Ernst Bevin a retirada das tropas soviéticas no norte do Irám em troca da retirada das tropas britânicas do Egito e Palestina, oferta que foi rejeitada.

Outubro
A atitude da Grã Bretanha, agora governada polos trabalhistas, fica inflexível relativamente aos refugiados judeus que os exércitos aliados libertaram da ocupaçom nazista. É proibida qualquer entrada de judeus na Palestina. Entom todo o movimento sionista inicia a luta armada contra o Império britânico através do Movimento de Revolta Hebraica (Haganah, Irgun e Lehi).


22 de outubro
Os senadores Robert Wagner (Nova Iorque) e Robert Taft (Ohio) apresentam umha resoluçom expressando o apoio a um Estado judeu na Palestina.


13 de novembro
O governo britânico anuncia a formaçom dum Comité de Inquérito Anglo-americano para investigar a posiçom britânica na situaçom palestiniana.


22 de novembro
A Liga Árabe reconstitui o Alto Comité Árabe como o máximo órgão executivo dos árabes palestinianos no território do Mandato Britânico da Palestina. O Comité estava dominado polo Partido Árabe Palestiniano, sendo imediatamente reconhecido polos países da Liga Árabe.

29 de novembro
Numha conferência de imprensa o Presidente Truman expressa a sua oposiçom à resoluçom Taft-Wagner, alegando preferir esperar polas conclusões do Comité de Inquérito Anglo-americano.

Dezembro
Perante as ações armadas do MRH, Londres reage com o envio de 80.000 soldados (que serám 100.000 em 1947, mais dum soldado em cada 20 habitantes, incluindo crianças).

17 e 19 de dezembro
O Congresso e Senado norte-americanos aprovam resoluções pedindo a livre imigraçom de judeus e a construçom na Palestina dum Lar Nacional para os judeus. Apesar da sua aprovaçom, nom é empreendido nengum programa específico por parte do governo, para além da solicitaçom ao governo britânico da entrada imediata de 100.000 judeus na Palestina.

Fontes
<< anterior

Sem comentários:

Enviar um comentário